Descubra agora as 5 medidas que a administração da CISA recomenda para se proteger contra ataques cibernéticos

O presidente dos EUA, Joe Biden, pediu nesta segunda-feira (21), aos parceiros do setor privado, “que endureçam suas defesas cibernéticas imediatamente”, apontando para “evolução em inteligência” e indicando “o potencial de que a Rússia pode realizar atividades cibernéticas maliciosas contra os Estados Unidos”.

Embora tenha prometido que seu governo “continuará a usar todas as ferramentas para impedir, interromper e, se necessário, responder a ataques cibernéticos contra infraestrutura crítica”, o presidente reconheceu em comunicado que “o governo federal não pode se defender contra essa ameaça sozinho”.

“A maior parte da infraestrutura crítica da América pertence e é operada pelo setor privado, e os proprietários e operadores de infraestrutura crítica devem acelerar os esforços para trancar suas portas digitais.

A Agência de Segurança Cibernética e Segurança de Infraestrutura (CISA, em inglês) tem trabalhado ativamente para compartilhar rapidamente informações e orientações de mitigação para ajudar a proteger os sistemas e redes americanos.

Descubra agora as 5 medidas que a administração da CISA recomenda para se proteger contra ataques cibernéticos:

  1. O uso de autenticação multifator,
  2. Consulta com profissionais de segurança cibernética para garantir que os sistemas sejam corrigidos e protegidos contra todas as vulnerabilidades conhecidas. (Se os EUA quiser nos contratar o Esquadrão IT2S estará aqui para ajudar!!!)
  3. Alteração de senhas nas redes para evitar que credenciais roubadas sejam usadas,
  4. Realização de backups (regra básica)
  5. Criptografia de dados e educação dos funcionários sobre segurança cibernética.

Biden disse ainda que “desde o primeiro dia, meu governo trabalhou para fortalecer nossas defesas cibernéticas nacionais, exigindo medidas extensivas de segurança para o Governo Federal e os setores críticos de infraestrutura em que temos autoridade para fazê-lo e criando parcerias e iniciativas públicas e privadas inovadoras para aprimorar a segurança cibernética em todo o país.”

“O Congresso fez parceria conosco nesses esforços – agradecemos que os membros do Congresso tenham trabalhado em todo o corredor para exigir que as empresas relatem incidentes cibernéticos ao governo dos Estados Unidos.”

Como sempre dissemos aqui, a tendência que os ataques virtuais se tornem cada vez mais comum, em todas as áreas, de todos os setores e de tosos os países está cada vez mais próximo.

Se você não se PREVENIR hoje, amanhã poderá ser tarde demais!!

Antecipe-se!! Solicite seu orçamento com a gente.

Nem sempre o hacker quer roubar seus dados

Às vezes, ele promove um sequestro em um tipo de ataque chamado de ransomware (tem conteúdo aqui falando sobre esse assunto).

Aí sim eles infiltram um vírus nos sistemas da empresa e bloqueiam todos os os acessos – essa invasão inicial pode ser por phishing.

É como se a fábrica fosse tomada e trancada por dentro. Para abrir o cadeado, os criminosos pedem que a empresa pague um resgate polpudo – em geral, em bitcoin, por ser bem mais difícil de rastrear que dinheiro de verdade ou um Pix.

Esse tipo de ataque, mais sofisticado, existe há décadas, e ganhou força com a popularização das criptomoedas.

Em 2020, o sequestro de dados quadruplicou nos EUA. O Brasil, vale destacar, é o nono país com mais registros de ransomware no mundo, segundo dados da Kaspersky.

Dentre os alvos de sequestros dos hackers estão as PMEs.

Esses episódios não movimentam milhões nem ganham manchetes, mas são devastadores: nos EUA, 60% das pequenas e médias empresas que sofrem algum tipo de ataque que impede o uso de seus sistemas acabam tendo que fechar as portas depois de seis meses, dado o tamanho do prejuízo, calcula a US’ National Cyber Security Alliance.

A dica número um de proteção antissequestro é a seguinte:

  • Fugir dos softwares piratas [que têm brechas de segurança feitas por hackers] e procurar os oficiais.
  • Manter antivírus eficazes e atualizados em todas as máquinas também é essencial.
  • Outra boa pedida é apostar nos backups em nuvem, para o caso de perda de acesso de um sistema de dados específico.
  • E, se quiser ser ultracauteloso, dá para fazer um backup offline, em um HD externo que deve ser guardado com segurança.
  • Por fim, contrate uma empresa que entende do assunto, para que você não tenha problemas futuros.

Fale com a IT2S, nós temos o esquadrão perfeito para defender sua empresa!

Fale com a gente e solicite um orçamento.

Entendendo a relação entre LGPD e compliance

A LGPD é apontada por especialistas como um marco para o desenvolvimento de uma nova cultura nas organizações, pautada na segurança digital.

Considerando que o trabalho do compliance consiste em garantir que as empresas estejam em conformidade com as leis e regulamentações vigentes, ambos estão diretamente relacionados.

Estar em compliance com a LGPD significa adequar a rotina e os processos ao texto da lei e, assim, inserir a empresa nessa nova cultura organizacional.

Essa adequação garante maior segurança aos clientes, funcionários e parceiros, além de benefícios para as empresas.

3 BENEFÍCIOS PARA O SEU NEGÓCIO

1) O primeiro deles é a segurança jurídica de estar em conformidade com a lei.

2) Outro aspecto positivo é evitar sanções e o prejuízo financeiro. A multa pelo descumprimento da legislação pode chegar a R$ 50 milhões.

3) Outra vantagem é o fortalecimento da credibilidade no mercado, uma vez que estar de acordo com a lei oferece maior segurança para clientes, funcionários e parceiros.

Os casos de vazamentos de dados pessoais são responsáveis por danos à imagem e à reputação de empresas.

CONCLUSÃO

Todas as empresas, independente do porte ou do setor de atuação, devem estar em conformidade com a LGPD.

Em caso de dúvidas, busque auxílio de profissionais que possam orientar sobre a adequação prática aos termos da lei.

Fale com a gente, nós temos a solução e a estrutura certa para você.

Com a rápida transição para o home office pela pandemia, empresas de todos os tamanhos estão considerando adotar uma arquitetura de confiança zero – ou zero trust

Com a rápida transição para o home office pela pandemia, empresas de todos os tamanhos estão considerando adotar uma arquitetura de confiança zero – ou zero trust.

O Zero Trust é um modelo de segurança de rede, baseado em um rigoroso processo de verificação de identidade. A estrutura estabelece que somente usuários e dispositivos autenticados e autorizados podem acessar aplicações e dados.

O princípio dessa estratégia é “não acredite em nada, verifique tudo”. Podem ser funcionários, parceiros, clientes, fornecedores ou outros usuários, bem como dispositivos, aplicativos e redes.

Para avaliar o impacto dessa transição na estratégia de segurança e nas operações de empresas, a Cloudflare encomendou à Forrester uma pesquisa sobre o assunto.

Foram ouvidos no mundo inteiro 317 executivos que tomam decisões nas empresas, e a conclusão é de que elas não estavam preparadas para esse tipo de mudança.

Em compensação, isso levou o tema da segurança para as conversas de diretoria. A consequência é que esses mesmos executivos identificaram a Zero Trust como a melhor abordagem para elevar o nível de segurança da empresa.

Claro que esse movimento não é uniforme: Embora todas as empresas pesquisadas estejam gastando dinheiro em tecnologia, empresas menores (<1000funcionários) estão sendo um pouco mais frugais.

Os motivos para o investimento ficaram bem claros nas respostas:

58% por cento dos entrevistados tiveram uma violação de dados em 2020 e 55% um aumento nas tentativas de phishing.

Pior ainda, o tempo de inatividade dos funcionários também é caro para os negócios:

33% por cento dos entrevistados relataram que interrupções na infraestrutura limitaram as habilidades dos funcionários para se manterem conectados aos aplicativos da força de trabalho e 46% relataram problemas de latência devido à conectividade com VPN.

O estudo conclui que todas as empresas tiveram de se tornar digitais da noite para o dia.

Como está a sua empresa? Se adequando à nova Era Digital ou ainda nem começou?

Proteção de dados se tornou uma vantagem competitiva das startups e pequenas empresas

Um dos grandes motivos para adotar a privacidade em seus negócios é que será muito mais fácil para aquelas startups concebidas a partir de conceitos de privacidade embutidos em seu negócio manterem sua vantagem competitiva.

Esse conceito, inclusive, é um dos requisitos indicados no art. 46, §2º com relação ao privacy by design e privacy by default.

É fato que os gigantes de tecnologia, apesar de possuírem a capacidade financeira e técnica, poderão sofrer com o tempo de duração da migração de suas plataformas atuais para tecnologias que possuem a privacidade como figura central.

E é aí que um entrante de mercado poderá valer-se desse tempo para lançar novos produtos que já contemplem as funcionalidades desejadas pelos usuários.

Sem dúvida, trata-se uma oportunidade inestimável para as startups encararem a privacidade como parte de seu negócio, criando aplicações com tecnologias amigáveis e tornando a experiência do usuário muito mais agradável a partir do controle de seus dados pessoais.

No final do jogo, tanto os usuários como as startups sairão ganhando.

O Aquário inimigo

Reza a lenda que em meados de 2018 um cassino muito popular nos Estados Unidos resolveu instalar um aquário “Inteligente” de peixes em seu salão principal.

Basicamente a sobrevivência dos peixes estava nas mãos dessa inteligência artificial.

O ESQUEMA ERA O SEGUINTE:

O cronograma de alimentação dos peixes, assim como os níveis de sal e temperatura, eram automaticamente regulados, e o termostato podia enviar uma mensagem para o dono caso a água ficasse muito quente ou fria.
O dispositivo estava escondido em uma VPN, obviamente na tentativa de protegê-lo contra invasores.
Mas isso infelizmente não foi suficiente – o termostato, aparentemente inofensivo serviu como uma”porta de entrada” para outros pontos da rede local.

FINAL DA HISTÓRIA: O ESPIÃO VENCEU!

Constatou-se que o aquário vira-casaca tinha enviado 10GB de dados para algum lugar da Noruega.

A equipe de segurança penou para descobrir quais informações haviam caído nas mãos dos hackers, e a resposta foi:

a base de dados dos grandes apostadores do cassino.

Não se sabe especificamente que tipo de informação, mas sejam apenas nomes ou, em um cenário mais sério, dados de contato ou até números de cartões de crédito, o dano de reputação é incalculável.

O nome do cassino não foi divulgado, mas a casa de jogos foi obrigada a reportar o incidente para as vítimas do vazamento. A conclusão que podemos chegar, diante dessa história é meio óbvia, mas que, ainda assim, precisa ser dita: segurança está em TUDO, até naquilo que você NÃO VÊ!

As empresas que não querem colocar em risco os seus clientes – como fez este cassino desconhecido – não podem esquecer de algumas regras:

  • Proteger apenas dispositivos finais não é suficiente. Invasores podem atacar por meio de qualquer aparelho, por isso, soluções de segurança também devem ser instaladas em servidores e gateways. No mundo ideal, devem bloquear todos os contatos com o mundo externo que visem acesso por meio de portas desconhecidas ou protocolos ocultos.
  • Não permitir o acesso à internet para equipamentos que não precisem de conexão para realização de suas tarefas principais.
    Configurar todos os dispositivos IoT cuidadosamente, uma vez que ainda não suportam a instalação de soluções de segurança.
  • Realizar testes de penetração periódicos. Essas avaliações vão ajudar a encontrar problemas de segurança em estágios em que alguma medida de reparação seja possível, o que inclui falhas menos óbvias que podem levar a grandes problemas.

Ou, para facilitar a vida, você pode contratar uma Empresa de Segurança de Dados – já pensou sobre isso?

  • Nós da IT2S desenvolvemos um modelo próprio de serviço no qual atuamos como o time de privacidade e proteção de dados dos nossos clientes.

Nosso modelo de negócios foi desenvolvido pensando em startups e PMEs que não possuem um time especializado na área, mas precisam atender normas, regulamentações e exigências de mercado.

O serviço é composto por 6 módulos, cada módulo correspondendo a uma função em uma equipe de segurança, desde atividades estratégicas até atividades técnicas.

O cliente pode optar quais módulos são necessários no seu momento atual.

Dentre as atividades desenvolvidas estão:

-conformidade com as regulamentações de privacidade de dados;
– análise de risco;
– teste de intrusão;
– avaliação de segurança em fornecedores;
– conscientização dos colaboradores;
– implantação de um processo de desenvolvimento seguro, entre outras – até mesmo verificação de um “aquário inteligente”, caso você seja tenha um!

Solicitem um orçamento! Fale com a gente.

5G vai exigir uma nova forma de pensar a cibersegurança

A partir dos inúmeros casos de uso da tecnologia e da sua capacidade de atingir velocidades gigabit e baixa latência, será preciso que a segurança cibernética adote especificações maiores, criando soluções precisas para cada uso.

Não basta instalar uma solução antivírus ou proteger-se criando senhas robustas ou adotar uma arquitetura de VPN na nuvem, mas sim atuar com ferramentas de segurança de maneira personalizada.

Aplicações de indústria irão requerer uma regulação de cibersegurança para indústria, e assim por diante.

As ferramentas de cibersegurança personalizadas criarão, portanto, uma verdadeira rede de segurança, totalmente repaginada e adequada às exigências dessa nova era de hiperconectividade, que já é muito bem recebida pelo mercado.

Pesquisa global sobre o 5G

Uma pesquisa global da Deloitte sobre adoção do 5G, feita em 2020, mostrou que 86% dos executivos entrevistados acreditam que a tecnologia sem fio avançada transformará seus negócios em três anos.

Portanto, as soluções de segurança precisarão ter interação cada vez maior com toda a cadeia de infraestrutura com base em três pilares: visibilidade profunda, mitigação de ataques de paradas de serviço e tomada de decisão com base na resiliência do ambiente (autenticado, segmentado, seguro).

Os hackers já estão visando as vulnerabilidades das tecnologias sem fio como novas brechas para amplos ataques cibernéticos. Sendo assim, uma cibersegurança robusta, não genérica e adaptada a cada aplicação é essencial para o nosso futuro com 5G.

#ASEGURANÇAESTÁEMTUDO

A nova tendência de segurança para Startups e PMEs: Virtual CISOs

Se sua organização precisa usar conhecimentos e obter orientações valiosas sobre segurança e privacidade, mas não pode justificar o custo de uma equipe atuando em tempo integral, uma equipe de segurança virtual liderada por um vCISO pode ser a resposta sob demanda que você está procurando.

Até hoje segurança da Informação e privacidade é um nicho de profissionais de alto valor de mercado devido sua escassez, deixando o conhecimento desses profissionais restrito a quem pode pagar por ele, ou seja, é um desafio econômico para Startups e PMEs que precisam atender regulamentações, obrigações contratuais ao mesmo tempo que protegem dados de clientes em um ambiente tecnológico e social complexo.

O orçamento para montar a própria equipe interna continua limitado e um Virtual CISO tem sido a solução mais adequada para este problema.

Ok, mas afinal, o que é um Virtual CISO?

O Virtual CISO (Virtual Chief Information Security Officer) é um modelo de Security as a Service contínuo de segurança da informação e privacidade, entregue por um Squad em forma de serviço, responsável por expandir as melhores práticas de segurança para toda organização.

Trata-se de uma equipe de profissionais que estão familiarizados com os processos e práticas da sua empresa, da mesma maneira que uma equipe interna estaria, porém o serviço é realizado por um time multidisciplinar, de forma remota, reduzindo a ociosidade e os custos operacionais de um time local.

Qual a diferença entre um Virtual CISO e serviços de consultoria tradicional?

Serviços tradicionais de consultoria seguem o modelo de projetos (início, meio e fim), com um custo variável por projeto, com escopo fechado e realizados sob demanda, onde o cliente já possui uma dor e somente busca alguém que possa resolvê-lo por um valor que caiba no orçamento e; caso surja uma nova necessidade, mais dinheiro deverá ser desembolsado ao tanto que mais horas de consultoria serão necessárias.

Além disso, consultorias tradicionais costumam seguir metodologias engessadas de entrega que nem sempre são adaptadas para o seu modelo de negócio, obrigando sua empresa a seguir as recomendações by-the-book, onde os resultados e benefícios se perdem ao longo do tempo, devido a resistência cultural.

O ponto é: Quem alimenta, readapta e garante a continuidade das práticas de segurança após o encerramento da consultoria tradicional?

Voando para o lado oposto em velocidade de cruzeiro, um serviço de Virtual CISO assume um compromisso de relacionamento próximo constante, trabalho proativo, planejado e adaptado a estratégia e missão da empresa, integrando segurança diretamente à cultura da organização.

Segurança e privacidade não é um produto, é um processo.

Na prática, por que o Virtual CISO tem sido um modelo ideal para Startups e PMEs?

Vamos explorar alguns pontos relevantes que ajudem a validar se um Virtual CISO é adequado para a necessidade da sua empresa:

  • Acesso ilimitado à um Expertise que sua empresa não possuiQuanta experiência em segurança sua empresa precisa além da que você tem atualmente? Quanto mais acesso à experiência você precisar, mais — em tese — você investirá.
  • Maturidade do Sistema de Gestão de Segurança da Informação (ISMS — Information Security Management System)Quanta ajuda você precisa para desenvolver um ISMS eficaz sem engessar e burocratizar suas operações? Quanto mais maduro o seu ISMS estiver hoje, menos trabalho (e custo) será necessário para desenvolver, monitorá-lo e melhorá-lo.
  • Recursos InternosQual esforço investido em segurança da informação e privacidade você precisa, mas que sua empresa não pode lidar atualmente? Quanto mais tarefas relacionadas à segurança da informação e privacidade você deseja realizar internamente, maior será o seu custo mensal. Costumo dizer que recursos internos “comem no mesmo prato”, ou seja, conforme sua empresa cresce, seu custo com equipe interna também aumenta.
  • Iniciativas de Segurança — Quanto de ajuda especializada você precisa para concluir iniciativas e projetos de segurança? Exemplos de iniciativas de segurança vão desde a criação e roll out de simples políticas de segurança e privacidade, até a preparação para uma certificação ISO27001, PCI-DSS e a conclusão de um relatório SOC2, bem como a construção de um programa de gerenciamento de riscos de terceiros, gerenciamento de vulnerabilidades em infraestrutura e aplicação, etc.

Alguns exemplos do que um serviço de vCISO pode oferecer:

  • Construção e manutenção da visão, estratégia e programa de segurança da informação da sua empresa (o clássico)
  • Trazer profundos insights e conhecimentos sobre assuntos onde e sempre que sua empresa precisar.
  • Conduzir um ou vários projetos de alta prioridade para mitigar riscos rapidamente e provar a conformidade regulatória como por exemplo, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).
  • Suporte e implementação completa de conformidades com padrões internacionais de segurança como ISO27001, PCI-DSS, atendimento a regulamentações de BACEN (4658, 3380, etc), outros esforços de certificação e demais atestados.
  • Atuar como um Oficial de Proteção de Dados (DPO) para o cumprimento de obrigações das leis de privacidade.
  • Ajudar no dia a dia, conectar-se com sua equipe “periodicamente” para resolver preocupações de curto, médio e longo prazo, bem como urgências em incidentes de segurança que precisam de resposta imediata. Um serviço de vCISO também pode fornecer equipes de CSIRT (Computer System Incident Response Team).
  • Atuar como um recurso pontual para auditorias e avaliações de segurança e conformidade.
  • Liderar seu programa de gerenciamento de riscos de terceiros (Seus fornecedores também levam segurança à sério como sua empresa, quem vai verificar?)
  • Fornecer direção na resposta a incidentes de segurança e violação de dados, como também fazer a intermediação e contato com entidades reguladoras.
  • Realizar testes de penetração de rede (Pentest), avaliações de vulnerabilidades e tratamento dos riscos encontrados.
  • Liderar um programa completo de segurança de aplicações (DevSecOps), integrando segurança e testes de código no pipeline.
  • Oferecer educação de conscientização de segurança em tempo integral e/ou testes de engenharia social.

E a lista continua…

Em resumo, se toda empresa é diferente, por quê as estratégias de segurança seriam iguais? Quando falamos sobre Virtual CISOs, estamos falando sobre “Ownership” e por isso este modelo tem se destacado como a melhor opção custo-benefício para quem quer focar no negócio, ao mesmo tempo que deixam na mão de profissionais experientes um assunto tão especial.

Práticas recomendadas de segurança de e-mail que você deve seguir a partir de agora

Ao contrário do mito popular, as técnicas de hacking mais eficazes quase não exigem habilidades técnicas. Um hacker precisa apenas de uma conexão com a Internet, uma conta de e-mail e uma habilidade especial para enganar pessoas.

Os ataques por email de phishing continuam sendo o vetor de ataque mais comum e devastador. Esses ataques usam várias estratégias de engenharia social e têm como alvo os usuários finais (ou seja, você e seus colegas de trabalho) e não a infraestrutura da sua empresa ou da sua casa (sim, também estamos falando do seu celular, computador e até mesmo o seu roteador)

Como os hackers tendem a explorar os erros humanos em vez dos técnicos, a política de segurança visa enfatizar o papel de cada funcionário na prevenção de ataques cibernéticos.

Aqui estão os principais pontos em que você deve se concentrar:

Eduque-se

A coisa mais importante que você deve ter em mente, é manter a segurança uma prioridade. Comece entendendo os ataques de phishing comuns e compartilhe atualizações e lembretes com seus colegas de trabalho, amigos e familiares regularmente.

Limite suas informações públicas

Os invasores não podem segmentar os funcionários de uma empresa ou um grupo de vítimas em particular se eles não souberem seus endereços de e-mail. Não publique detalhes de contato não essenciais em seu site, rede social ou em nenhum diretório público, incluindo números de telefone ou endereços físicos. Todas essas informações podem ajudar os invasores a projetar ataques.

Verifique cuidadosamente os e-mails

Os ataques de phishing raramente são perfeitamente executados. Muitas vezes, há um aviso, vindo de um endereço e-mail bizarro (por exemplo, atendimento145@email145.com), links incomuns (por exemplo, amazon.net.ru) ou um grande número de erros de digitação ou formatação no texto. Se parecer suspeito, denuncie imediatamente para área de segurança da sua empresa.

Cuidado com links e anexos

Você deve ser cético sempre que receber um email de um remetente desconhecido. Não clique em links nem faça o download de anexos sem verificar primeiro a fonte e estabelecer a legitimidade do link ou anexo. Os anexos são especialmente perigosos porque podem conter malware, como ransomware ou spyware, que pode comprometer o seu dispositivo ou a sua rede.

Passe o mouse sobre os hiperlinks

Nunca clique no texto com hiperlinks sem passar o cursor sobre o link primeiro para verificar o URL de destino, que deve aparecer no canto inferior da sua janela. Às vezes, o hacker pode disfarçar um link malicioso como um URL curto. Você pode recuperar o URL original usando esta ferramenta.

Nunca digite sua senha

A menos que tenha 100% de certeza de que o site é legítimo, você nunca deve inserir sua senha em nenhum lugar. Se você não está fazendo login na sua conta e não solicitou a redefinição de sua senha, os links de redefinição de senha provavelmente fazem parte de um ataque de phishing. Os gerenciadores de senhas, além de ajudá-lo a usar senhas fortes e exclusivas, podem detectar sites falsos para você.

Em caso de dúvida, pergunte

Melhor prevenir do que remediar. Verifique com a equipe de segurança ou com um gerente direto sempre que tiverem dúvidas sobre um email.

E lembre-se, você é a única pessoa responsável por sua segurança online.  A segurança sempre parece exagero até o dia que se torna insuficiente.

Até mais.

Entenda o que um DPO Virtual (vDPO) pode fazer pela sua empresa

Com a disseminação global das leis de proteção de dados ao redor do mundo, muitas empresas precisarão dos serviços de um Data Protection Officer (Encarregado da Proteção de Dados nos termos da LGPD). No entanto, a menos que você seja uma grande organização, poderá  ser muito difícil justificar a posição interna de um DPO atuando em tempo integral. 

Este tipo de contratação incide em custos elevados que muitas empresas não estão dispostas a, ou preparadas para absorver financeiramente em tempo hábil de cumprir os prazos e as exigências da lei. Estes custos envolvem treinamentos e capacitações, encargos trabalhistas, bem como investimentos em tecnologias, hardware, software, licenças, entre outros. Caso a empresa tenha presença em outros países regidos por outras leis de proteção de dados, ficará ainda mais difícil encontrar profissionais que acumulem todos os requisitos de conhecimento para suportar a complexidade das adequações e suas particularidades.

Contratar uma equipe experiente em privacidade, com reconhecimento de mercado e com metodologias e processos bem definidos, tem sido a opção de muitas empresas na corrida para atendimento as leis de privacidade.

Os principais desafios para quem ainda não possui um DPO

  1. Você precisará ter alguém disponível que possa aconselhá-lo sobre como cumprir a LGPD e permanecer em conformidade à medida que seus processos de negócio evoluem.
  2. Toda vez que seus fluxos de trabalho mudarem, você precisará avaliar como a mudança proposta impacta na conformidade com a LGPD e demais leis de privacidade aplicáveis ao seu negócio.
  3. Você precisará ter acesso a um especialista em proteção de dados para avaliar a mudança proposta, fornecer conselhos e treinamentos para garantir que sua equipe entenda suas responsabilidades, a fim de minimizar o risco de uma violação de dados.
  4. Sua empresa precisará ter um programa de privacidade consistente e efetivo, alimentado de forma regular anualmente

Quais as vantagens de contratar um serviço de Virtual DPO (vDPO)?

  • Sua empresa terá uma equipe altamente especializada em privacidade, com suporte completo tanto pelo aspecto da segurança da informação quanto pelo aspecto legal, através do suporte jurídico de advogados experientes no assunto.
  • Redução de custo superior a 50% sobre contratação de uma equipe interna.
  • Capacidade rápida de adequação e adaptação as leis de privacidade, devido ao suporte contínuo realizado por profissionais seniores com vivência constante no mercado.
  • Fornecimento de treinamentos periódicos sobre segurança e privacidade para toda a organização, realizados de forma presencial ou remota. Materiais e instrutores  sempre atualizados.
  • Flexibilidade de negociação contratual sem se preocupar com horas extras, férias e outros encargos existentes na contração de uma equipe local.

Nosso serviço Virtual Data Protection Officer (Privacy360) fornece acesso a profissionais especializados em segurança da informação com mais de 15 anos de experiência, prontos para planejar e implementar um programa completo de segurança e proteção de dados, bem como realizar atividades frequentes como análises de impacto a privacidade, planos de resposta a incidentes, auditorias periódicas e o fornecimento de recomendações e acompanhamento dos projetos que envolvem tratamento de dados pessoais.

Conheça o serviço Privacy360 e como podemos ajudá-lo desde os primeiros passos até a completa implementação de um Programa de Segurança e Privacidade de Dados.

 Entre em contato conosco e fale com um de nossos especialistas.

× Como posso te ajudar?